Doença de Alzheimer

Tem neblina mas também há luz. Procure ajuda.

Visão geral sobre demência

O que é Demência

É um conjunto de sinais e sintomas causados por doenças que afetam o cérebro (síndrome demencial) e que prejudicam diversas funções cognitivas como: memória, linguagem, planejamento, atenção, raciocínio lógico, julgamento, que interferem nas atividades da vida diária da pessoa, causando mudanças de humor, comportamento, no desempenho social e profissional e que, geralmente, pioram com o tempo.

 

Causas mais comuns de demência

Doença de Alzheimer: descrita pela primeira vez pelo doutor Alois Alzheimer, em 1906, é a causa mais frequente de demência, representando cerca de 50 a 70% de todos os casos. É uma doença degenerativa, que evolui lentamente e que é mais comum em idade acima de 60 anos, porém, pode surgir em pessoas mais jovens. Os primeiros sinais geralmente são perda de memória recente, alterações de humor, comportamento, linguagem, julgamento, planejamento, raciocínio, percepção visual e espacial.

Demência Vascular: é a segunda causa mais comum de demência, representando cerca de 20% dos casos. Ocorre em função de doença vascular que causa infartos cerebrais únicos ou múltiplos, de pequena até grande proporção. Os sintomas dependem da região do cérebro que é afetada.

Demência Mista: é caracterizada pela ocorrência de Doença de Alzheimer juntamente a Demência Vascular, sendo a manifestação das duas ao mesmo tempo. É comum pessoas com Doença de Alzheimer apresentarem também lesões vasculares em seus cérebros. Estudos recentes sugerem que a demência mista é bem mais comum do que se pensa.

Corpos de Lewy: é uma forma de demência que apresenta depósitos anormais de uma proteína (alfa-sinocleína) que acumula no interior das células do cérebro, inicialmente na área do tronco cerebral. Foi descoberta pelo cientista Friederich H. Lewy. Pessoas com Demência por Corpos de Lewy apresentam variações (flutuações) nas funções cognitivas (déficit de atenção e funcionamento executivo), alucinações visuais frequentes, marcha arrastada, tremores, distúrbios do sono e podem também sofrer repetidas quedas. O comprometimento de memória pode não ser evidente em fases iniciais.

Degeneração Lobar Fronto-temporal: é a segunda causa de demência em indivíduos com idade abaixo de 60 anos. Inclui a Demência Frontotemporal, e a Afasia Progressiva Primária, formas mais raras de demência. Essas doenças comprometem lentamente as áreas frontais e temporais do cérebro, que controlam a personalidade e a fala, resultando em distúrbios comportamentais e de linguagem (afasia).

Demência Frontotemporal (DFT), descrita por Arnold Pick no final do século XIX manifestando-se principalmente em indivíduos entre 45 e 65 anos de idade. Os principais sintomas são alterações de comportamento (apatia, desinibição, perseverança), personalidade (falta de empatia), tomada de decisão, e linguagem (compreensão e expressão). Julgamento e cognição são relativamente preservados no início da DFT.

Afasia Progressiva Primária (APP), o indivíduo começa a apresentar dificuldades para falar, ler, e progressivamente mais tarde, para escrever e compreender o que os outros estão dizendo. Esses sintomas vão piorando com o tempo podendo resultar até mesmo em mutismo. As alterações de comportamento acentuam na fase avançada da doença.

Doença de Parkinson: descrita pela primeira vez pelo médico inglês James Parkinson. A Doença de Parkinson (DP) afeta principalmente os movimentos do corpo. É a segunda causa de doença neurodegenerativa mais comum, sendo uma doença crônica com curso progressivo, caracterizada pela morte de neurônios na região do cérebro chamada de substância negra (no tronco cerebral). É conhecida popularmente como a doença do tremor. A DP é caracterizada pelos seguintes sintomas e sinais clínicos: tremor de mãos em estado de repouso, paralisia agitante (quando as mãos estão paradas), instabilidade postural, bradicinesia (lentidão de movimento), rigidez muscular, dificuldades do equilíbrio, distúrbios de marcha, de face (em máscara), alterações de voz, de deglutição, depressão, distúrbios de sono, demência entre outros, resultantes da falta de um neurotransmissor chamado de dopamina, uma substância química envolvida no controle dos movimentos. Pode ocorrer neste quadro, principalmente em fases mais tardias da DP, a demência associada a DP. Geralmente após 8 anos da DP, chegando a afetar 80% dos casos. Entre os fatores de risco de demência associada a DP, estão: início tardio da DP, alterações cognitivas, progressão rápida da doença, e maior gravidade de comprometimento motor.

Outras causas de demência mais raras ainda podem ser as de origem traumática, infecciosa, neoplásica, priônica.

 

Bibliografia consultada

CARAMELLI, P.. Avaliação Clínica e Complementar para o Estabelecimento do Diagnóstico de Demência. In: Elizabete Viana de Freitas; Ligia Py;

Milton Luiz Gorzoni; Johannes Doll; Flávio Aluizio Xavier Cançado. (Org.). Tratado de Geriatria e Gerontologia. 4ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016, v. , p. 217-221

World Health Organization (WHO). Dementia. 2019. Disponível em: . Acesso em: 12 de fev. 2020.